Recanto Literário

Qual o proveito das flores postas somente sobre o caixão? Têm mais valor as que são dadas em vida.

Textos

Responder sabiamente ao idiota ou insensato
Conta-se que um mestre da sabedoria oriental caminhava em meio à floresta com um de seus discípulos, quando, a certa altura da caminhada, o discípulo pergunta: “Mestre, qual o segredo da felicidade?” O mestre lhe responde: “Não discutir com idiotas.” Ele, contudo, contesta: “Não concordo que seja esse o segredo.” E o mestre, sem titubear, irônica e sabiamente, dá-lhe uma resposta acachapante: “Você tem razão.”

Idiota na acepção aí empregada é o indivíduo que a Bíblia chama, dentre outras formas, de insensato. Infelizmente, a vida nos prova que existem mais idiotas (insensatos, se assim o leitor preferir) do que se pode imaginar. Eles perigosamente se espalham, ninguém duvide, por todos os lugares e segmentos da atividade humana. O pior, porém, é que, ignorando a própria idiotice ou insensatez, jamais mudarão: nunca deixarão de ser idiotas.

Não é só isso. Um dos grandes problemas da humanidade é que, não raramente, o idiota quer se passar por sábio, como no caso do discípulo citado, e aí as coisas sobremaneira se complicam. Pior somente o bandido que se traveste de autoridade e de defensor impoluto e destemido do interesse público. Empiricamente, ou seja, de longa e sofrida experiência, conheço bastante esse tipo de gente, tanto o idiota quanto o bandido, afinal, estou há mais de quatro décadas no serviço público.

Conheço indivíduos descarados que se dizem, com a maior veemência e os mais convincentes rapapés, defensores legítimos do povo e do interesse público (é sempre destes, não é, leitor?). Só que, na mais triste realidade, são desonestos a não mais poderem e defensores tão somente dos mais espúrios interesses próprios. Não é sem razão que estou cansado.

Há muito, a fábula do beija-flor que joga a sua gota de água no incêndio da floresta já não me alenta, só faz aumentar a minha indignação. Se me fosse permitido dar um conselho ao engajado beija-flor, adverti-lo-ia de que, além de nada conseguir fazer com sua gotinha de água, ainda corre o sério risco de, por exaustão ou mesmo por acidente ou descuido, cair no meio do incêndio e morrer queimado.

A fábula do beija-flor e o incêndio não forma, moralmente deforma na medida em que distorce a situação. Cada um evidentemente tem que fazer a sua parte, mas a culpa e a responsabilidade pelo incêndio não são do beija-flor nem dos outros animais. O incêndio deve ser apagado por quem tem a capacidade e a obrigação de fazer isso, não pelo beija-flor e os outros desventurados animais da floresta em chamas. O que passa disso é só engodo, enganação à guisa de ensinamento moral.

Com efeito, diz a Bíblia, no livro de Provérbios, capítulo 26, versículos 4 e 5, na tradução nova versão internacional (NVI): “Não responda ao insensato com igual insensatez, do contrário você se igualará a ele. Responda ao insensato como a sua insensatez merece, do contrário ele pensará que é mesmo um sábio.”

Mandou bem o velho mestre oriental.
Valdinar Monteiro de Souza
Enviado por Valdinar Monteiro de Souza em 18/02/2021
Alterado em 09/04/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras