Recanto Literário

Qual o proveito das flores postas somente sobre o caixão? Têm mais valor as que são dadas em vida.

Textos

Reminiscências e rostos anônimos
Movido por reminiscências que me sacodem as convicções, quero homenagear os anônimos de toda a vida, dizer do valor que eles têm. Meu pai, lavrador já falecido, gostava de citar em abono de suas ideias o ditado: “Ver e não conhecer é ruim, não saber o nome é pior.” Do outro lado do plano intelectual, o erudito juiz federal José Carlos Garcia fala do “rosto coberto do braço impessoal que decepa a cana”, no livro “De Sem-rosto a Cidadão”, que li em 2004, e Genival Veloso de França, médico, escritor e professor renomado, escreveu, à guisa de capítulos do seu livro “Direito Médico”, o “Salmo para um cadáver desconhecido” e o “Salmo para um indigente”. É o clamar de três classes a favor do anônimo e contra a teia voraz do descaso e do esquecimento.  

Essas reminiscências iam e vinham nas longas reflexões a que me entreguei (ou que tomaram conta de mim) durante a recente internação no Hospital Climec a que fui submetido. Lembranças da infância, adolescência, juventude e da vida inteira até aqui. Coisas que ora me entristeciam, ora me embeveciam a alma e, nos momentos de esperança, faziam aflorar o desejo de escrever uma crônica, várias crônicas, ideia reforçada várias vezes, dia e noite, ao fecharem a porta atrás de si, nas muitas vezes em que me atenderam, as enfermeiras e zeladoras do hospital.

Quase tudo na vida é fruto da união sistemática dos esforços de pessoas diversas, não obstante, com mais frequência do que se imagina, o agir da maioria passe despercebido e não logre jamais ter reconhecido o mérito de que é credor. Assim é no hospital, na igreja, no quartel, na fábrica, na escola, enfim, em todos os lugares e segmentos da atividade humana. É grande a multidão dos anônimos, massa informe de relegados ao esquecimento, sem-voz, sem-vez e sem-glória, a servirem de escada ou trampolim para os (bem mais poucos) poderosos.

O hospital não funcionaria se não fora o sem-número de pessoas existentes além dos médicos: enfermeiras e enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, porteiros, atendentes, zeladores e administradores, não necessariamente nessa ordem. E essa é a regra, a valer para os outros segmentos, lugares e instituições. Não se pode esquecer, por certo, de que em todos os lugares há também pessoas ruins, desonestas, criadoras de problemas, que atendem mal e fazem de tudo para dificultar a vida do semelhante. Essas, contudo, são a praga, a erva daninha, indignas, portanto, da nossa lembrança. “O ruim por si mesmo se destrói”, já diz a sabedoria popular.

Os rostos anônimos e braços impessoais de todos os lugares, indivíduos aos quais não se conhece e de quem nem sequer se procura saber o nome, servem com bondade, zelo, amor e dedicação a toda a prova. São pessoas que, não raro, desconhecem a palavra mais-valia e abnegadamente esquecem ou relegam ao segundo plano e em proveito de terceiros, até onde lhes é possível fazê-lo, os próprios dramas do dia a dia e problemas pessoais.

O açúcar que adoça o cafezinho é resultado, como produto final, da cana que um dia, em algum lugar, foi plantada, depois decepada e, depois ainda, esmagada pelo mover do braço impessoal de rosto anônimo. Também o é, sem pôr nem tirar, o álcool que faz andar o carro. E assim é em relação a quase tudo na vida. Do nosso conforto, lazer e bem-estar, devemos muito mais do que imaginamos a pessoas que às vezes passam por necessidades e sofrem privações de toda a sorte neste mundo de injustiças e desigualdades a cada dia mais recrudescentes.

Este sentimento de gratidão aos muitos anônimos a quem devemos tanto da nossa vida me faz recorrer a um dentre os muitos livros da minha biblioteca, “Correspondência: Linguagem & Comunicação”, de Odacir Beltrão, autor que há muito se foi do nosso meio. Essa obra, publicada em 1940 e editada desde 1964 pela Editora Atlas, é de uma atualidade a toda a prova, razão por que continua como obra didática e fonte de pesquisa para estudantes e profissionais. Dela tenho dois exemplares: um da 19.ª edição, de 1995, que comprei em junho de 1996, e outro da 16.ª edição, de 1981, que, após longa procura, comprei da Traça Livraria e Sebo, agora em agosto de 2008.

É desse livro que retiro um dos trechos que já li e reli inúmeras vezes no decorrer dos anos, porque me fala à mente e ao coração. É parte da mensagem comemorativa do Dia do Comerciário, da empresa SAMRIG S.A., página 263 da 16.ª edição e página 273 da 19.ª, que diz:

“moça simples... estória importante... Alguém, um dia, contará a tua estória. E dirá que, sem ti, poucas coisas seriam como são. Haveria menos sorrisos nas faces das crianças. E menos conforto dentro dos lares. Porque és o último elo entre o fabricante e a dona de casa. E da tua contribuição dependem o progresso e o bem-estar de milhões.”
Valdinar Monteiro de Souza
Enviado por Valdinar Monteiro de Souza em 27/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras