Recanto Literário

Qual o proveito das flores postas somente sobre o caixão? Têm mais valor as que são dadas em vida.

Textos

Depressão
Comprei a revista Caras, edição 1.101, por causa da chamada de capa para a entrevista do padre Marcelo Rossi, sobre a depressão de que se recuperou. Li a entrevista, mas não gostei, por julgá-la superficial. Penso que deveria ter sido mais aprofundado o tratamento da questão, mas, tudo bem. Valeu a pena.

Fiquei sabendo, contudo, que Marcelo Rossi, certamente tal qual pensam muitos outros, não acreditava em depressão. Achava que era frescura. Não é, disse ele. É verdade, não é frescura. É enfermidade mesmo, digo eu. Sei disso porque já tive depressão. Aliás, tive, não: eu tenho. Luto diariamente com a depressão, para não me deixar dominar. Tenho consciência disso.

É raro o dia em que não amanheço deprimido. Acordo, quase todas as manhãs, com a terrível sensação de que o mundo desaba sobre mim. Procuro reagir, sempre e imediatamente, mas é terrível. Quem passa por isso como eu passo sabe como é a coisa e, por conseguinte, sentindo o que sinto, entende na real dimensão o que estou falando. Fora disso, só psicólogos e psiquiatras.

Fiz, contudo, um pacto comigo mesmo: não duvidar da enfermidade e jamais me abandonar e deixar-me dominar. Não é autossugestão ou coisa que o valha, não: é a responsabilidade comigo mesmo. Cheguei a tomar remédio controlado durante alguns meses para sair da crise e me recuperar, em 2010 ou 2011, e saí. Saí da crise, é verdade, mas a recidiva, como já disse, me ameaça cotidianamente.

O cardiologista que me receitou o antidepressivo e tirou-me da crise recomendou-me procurar posteriormente tratamento psicológico, o que não fiz. Hoje não tomo antidepressivo. Tomo a medicação cardiológica (evidentemente porque sou cardiopata) e procuro viver normalmente, seguindo a orientação do meu médico, embora não o faça em tudo, uma vez que não me submeti ao tratamento psicológico, como me orientou que me submetesse. Levo, todavia, vida normal (se é que se pode chamar isso de normal).

Se você tem depressão, cuide de sua vida, porque a coisa é séria. Não descuide. Quem duvida ou pensa que depressão é frescura que vá para o inferno, por mais pesado que isso possa parecer. Não estou nem aí. Que se dane! Como diz o ditado, quem calça o sapato é que sabe onde aperta. Não suporto gente metida a besta, embora o mundo, por certo, desde que é mundo, esteja repleto dos tais.
Valdinar Monteiro de Souza
Enviado por Valdinar Monteiro de Souza em 24/12/2014
Alterado em 16/01/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras